fbpx
Notícias

Febre Amarela

A febre amarela é uma doença hemorrágica viral aguda transmitida por mosquitos infectados. O “amarelo” no nome refere-se à icterícia que afeta alguns pacientes. Os sintomas da febre amarela incluem febre, dor de cabeça, icterícia, dor muscular, náuseas, vômitos e fadiga. Uma pequena proporção de pacientes que contrai o vírus desenvolvem sintomas graves e, cerca de metade desses, morrem dentro de sete a dez dias.

O vírus é endêmico em áreas tropicais da África e América Central e do Sul. Grandes epidemias de febre amarela ocorrem quando as pessoas infectadas introduzem o vírus em áreas fortemente povoadas com alta densidade de mosquitos e onde a maioria das pessoas tem pouca ou nenhuma imunidade, devido à falta de vacinação. Nessas condições, os mosquitos infectados do Aedes Aegypti transmitem o vírus de pessoa para pessoa.

O vírus da febre amarela é um arbovírus que pertence ao gênero Flavivirus (como Zika, dengue e West Nilo). Amarela refere-se à icterícia causada pelo envolvimento do fígado. O vírus é transmitido entre seres humanos e de macacos para seres humanos por mosquitos, principalmente por Aedes (aegypti) e Hemogogus, em um de três ciclos: (1) febre amarela urbana; (2) febre amarela (Silvestre) da selva; e (3) febre amarela intermediária. Mais de 500 milhões de indivíduos estão em risco na África, assim como aproximadamente 400 milhões de indivíduos estão em risco na América Latina.

Essa é também uma doença reemergente que causou surtos recentes na África Central (2015-2016) e no Brasil (2016-2018) e se difunde com um grande número de casos diagnosticados.

O vírus da febre amarela tem uma afinidade especial para o hepatócito, resultando em um extenso processo inflamatório e destruição do parênquima hepático. Como resultado dessa agressão, há extravasamento e a febre amarela é difícil de diagnosticar, especialmente durante os estágios iniciais. Um caso mais grave pode ser confundido com malária grave, leptospirose, hepatite viral (especialmente formas fulminantes), outras febres hemorrágicas, infecção com outros flavivírus (como a febre hemorrágica da dengue), e envenenamento.

Após um período de incubação de três a seis dias, uma fase febril aguda ocorre com mialgia, cefaléia, dor nas costas, anorexia, náuseas e, às vezes, vômitos; os sintomas normalmente desaparecem dentro de uma semana. Em aproximadamente um em cada sete indivíduos, uma segunda fase se instala rapidamente com febre elevada, icterícia, sangramento e dano no rim, com morte em 50% dos pacientes. A maioria, contudo, se recupera inteiramente. A cada ano, a febre amarela causa estimadas 30.000 mortes, na maior parte na África.

Mesmo com o conhecimento das manifestações clínicas típicas e da epidemiologia da manifestação, o diagnóstico clínico pode ser difícil porque a febre amarela pode imitar várias doenças febris, incluindo aquelas que causam icterícia e sangramento (como hepatite viral aguda e febres hemorrágicas virais).

Os testes laboratoriais podem detectar o vírus e os anticorpos específicos no sangue. O teste da reacção em cadeia do polymerase (PCR) no sangue e na urina pode, às vezes, detectar o vírus em estágios adiantados da doença. Em estágios posteriores, são necessários testes para identificar anticorpos (ELISA).

O tratamento precoce de suporte em hospitais melhora as taxas de sobrevivência. Não há atualmente nenhuma droga antiviral específica para a febre amarela, mas cuidados específicos para tratar a desidratação, insuficiência hepática e renal e a febre melhoram os resultados. Infecções bacterianas associadas podem ser tratadas com antibióticos.

A vacina contra febre amarela é de vírus vivo atenuado e está disponível há décadas, conferindo proteção vitalícia dentro de dez dias em mais de 90% dos indivíduos vacinados. Embora a vacina contra a febre amarela seja bem tolerada, não é recomendada em contextos não epidêmicos para indivíduos com imunodeficiência grave, gestantes, lactentes ou indivíduos com alergias graves ao ovo. Indivíduos com mais de 60 anos de idade estão em maior risco para uma complicação rara, mas séria, associada à vacinação (doença viscerotrófica).

Acesse a área do Associado ABCCR ou Associado Digital e confira o conteúdo completo na edição 179.